quinta-feira, 8 de julho de 2010

Lições da Natureza, 29/07/2009

Quando olhei o rio pela primeira vez pareceu-me estranho e arredio, como se não quisesse minha presença ali. Eu compreendi suas razões, pois aquele não era o meu mundo. Estava ali de passagem, como tantos outros... uns poucos o trataram com respeito e admiração, mas a maioria só estivera ali para levar seus filhos: os peixes, as capivaras, as matas... e nada deixaram em troca!

Aceitei a recusa do rio com humildade e respeito e, a cada novo dia, ele me parecia mais tolerante, compreensivo. Seus filhos já me reconheciam e aceitavam a minha presença; suas águas contavam-me seus segredos; e, aos poucos, fui aprendendo sua linguagem e compreendendo seus mistérios.

Olhava as águas e elas me diziam se havia troncos submersos, se redemoinhos se formavam em seu leito, se uma nova corredeira estava por surgir à minha frente... os pássaros também me falavam sobre seus ninhos, que eles protegiam com determinação; mostravam-me o melhor caminho em uma corredeira; afastavam-me dos perigos.

Assim, fui me afeiçoando ao rio e à sua gente... ao entardecer, quando me preparava para o pernoite, olhava ao meu redor e sabia que não havia perigo em estar ali, cercado de personagens fantásticos em seus mundos individuais. Montava a minha barraca, apreciava os últimos raios de sol, ouvia as melodias de seus animais ocultos pela mata... e adormecia feliz...

Todas as manhãs os pássaros me despertavam antes mesmo do primeiro raio de sol. Ficava ali, deitado, apreciando as vozes de diferentes aves, a recitar seus poemas à vida, à eterna certeza do vir a ser, renovando minhas convicções...

Durante o dia remava tranqüilo, horas a fio, pois estava cercado desses seres extraordinários, que se afeiçoaram a mim, como eu a eles. Nada dizíamos uns aos outros, mas estávamos lá, convivendo e compartilhando nossas existências...

Poderia ter ficado ali para sempre, não fora a necessidade de retornar à civilização, à cidade, à sociedade dos homens, para lhes contar a respeito do meu Velho Chico. Somente eu o vi assim... apenas em meu perambular diário por suas águas poderia ter essa percepção única, particular, filtrada pela minha sensibilidade e pelos meus propósitos ambientalistas. Por isso não poderei permanecer para sempre nas águas desse meu rio...

Nenhum comentário: