quinta-feira, 8 de julho de 2010

Visita a Cocos, oeste baiano, 19 a 21/10/2009, MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens

Reunião promovida pela CPT para definir estratégias de enfrentamento dos “barrageiros”, empresas que desenvolvem projetos para a construção de 49 PCH's (Pequenas Centrais Hidrelétricas) nos rios Carinhanha, Itaguari, Formoso e Corrente. O problema é que essa quantidade de barragens irá destruir praticamente toda mata bem conservada desses rios e inundar as terras férteis de dezenas de comunidades que vivem à sua margem, no interior do oeste baiano.

Essas empresas, além de não se identificarem para as comunidades, utilizam métodos desonestos para cooptar o apoio de algumas pessoas da população para fornecer-lhes informações acerca das propriedades que pretendem comprar. Fazem propostas, oferecendo valores muito acima dos praticados no mercado, provocando discórdia entre vizinhos e ameaçando colocar sob as águas a história desse povo.

Esses valores, apesar de inflacionados, não seriam suficientes para reassentar essas famílias em outros locais com as mesmas condições e facilidades que hoje possuem. Basta lembrar que na desocupação das margens da represa de Sobradinho foram removidas mais de 72.000 pessoas; muitas foram deslocadas para regiões próximas a Bom Jesus da Lapa, a dezenas de quilômetros de distância de sua morada original.

Nas reuniões discutirão as estratégias de enfrentamento e a argumentação para convencimento da população a não vender seus imóveis e não jogar fora seu patrimônio. Essas empresas sabem da fragilidade dessa população inculta e de sua vulnerabilidade a argumentos de seus negociadores, e se aproveitam disso.

Lamentavelmente, o governo não cuida de proteger essas comunidades, que ficam à mercê de oportunistas, interessados apenas na implantação de grandes empresas de agronegócio, lavouras a serem irrigadas pelas águas dessas pequenas hidrelétricas e energia abastecida também por elas. Com isso, áreas significativas de Cerrado estão sendo destruídas para dar lugar às fazendas de monocultura de frutas e de soja.

Nenhum comentário: